Medidas de controle reduzem exposição do trabalhador ao benzeno

RISCOS DE EXPOSIÇÃO
Carlos Eduardo informa que a contaminação pelo benzeno pode ocorrer pelas vias aéreas, oral e cutânea. Ele cita que hoje a exposição pela via oral é mais incomum, mas pode acontecer pela  contaminação da água. O trabalhador do posto está mais suscetível a contaminação pela via aérea e cutânea. A exposição a gasolina, que retornou durante o abastecimento, infelizmente ainda é comum. Já o uso do paninho no posto foi praticamente abolido em todo país.

O maior risco de contaminação é pelo ar- vias aéreas- , já que toda o vapor da gasolina contém benzeno numa quantidade considerável. Carlos Eduardo diz que os pesquisadores trabalham para alterar a legislação e mudar essa realidade. Ele afirma que não há nível seguro para exposição ao benzeno." Qualquer  que seja o nível de exposição está relacionado ao agravo da saúde do trabalhador, isso tem a ver com a questão previdenciária e abre uma ampla discussão sobre o assunto".

CONSEQUÊNCIAS
A exposição aguda ao benzeno pode provocar irritação nas vias aéreas, nos olhos e levar a perda de consciência. Já os efeitos crônicos causam alterações imunológicas, nas células  sanguínea, redução de plaquetas, anemia e alteração no sistema reprodutivo. O benzeno é  Carcinógeno para os humanos- capaz de provocar câncer- como determina  a nota interministerial nº 9, de outubro de 2014. A portaria publicada pelos Ministérios do Trabalho, Saúde e Previdência Social criou a Lista Nacional dos Agentes Cancerígenos para Humanos, onde o benzeno figura no Grupo Um, o mais perigoso.

MEDIDAS DE CONTROLE
Carlos Eduardo, que também é chefe de fiscalização da gerência regional do Ministério do Trabalho, em Volta Redonda, diz que infelizmente ao vistoriarem as empresas, os técnicos têm como medida de controle a PPRA que determina o uso do Equipamento de Proteção Individual. Ele cita, no entanto, que o EPI ao proteger pode representar um risco para o trabalhador, pois tira a noção da gravidade de contaminação pelo benzeno. Para ele, no caso dos postos de combustíveis, o EPI não é o principal modo de ação de medida de controle.

O coordenador da Comissão Nacional Permanente do Benzeno revelou que é preciso adotar medidas que previnam a liberação desse agente no ambiente. Ele citou como exemplo a NR 20, que já trata das medidas de contenção que reduz o nível de exposição do trabalhador através da melhoria do ambiente.

Carlos Eduardo Informou que a CNPBz trabalha hoje para alterar a legislação e incluir na NR 9 , a obrigatoriedade da instalação do Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) junto às bombas de gasolina. A nova tecnologia vai retirar da zona de respiração dos trabalhadores vapores liberados pela gasolina. A troca de todas as bombas de gasolina do país deve ocorrer num prazo de 12 anos. Carlos Eduardo afirmou que o anexo, que será incluído na NR 9, não trata apenas de medida de controle, mas também de treinamento da mão de obra.